meme büyütme kolaybet elektronik sigara betgaranti vdcasino bonus veren siteler 1xbet deneme bonusu deneme bonusu betsat betboo betvole vdcasino giriş kolaybet vdcasino sorunsuz giriş vdcasino yeni giriş superbetin anadolucasino süperbahis casino siteleri mydodolook.com gaziantep escort diyarbakır escort istanbul escort gaziantep escort bayan escort adana escort halkalı izmir bayan escort elazig escort etimesgut escort eryaman escort bodrum escort mersin escort marmaris escort mersin escort

A Escola de Enfermagem do Estado do Rio de Janeiro foi fundada em 18 de outubro de 1944. À época, o interventor estadual Ernani do Amaral Peixoto propunha o incremento da saúde pública e a intensificação do serviço para o saneamento da Baixada Fluminense como prioridades de gestão. Assim, criou centros de saúde, unidades sanitárias de valiosa eficiência para a região e implantou melhoramentos na rede de esgotos hospitalares1. Para executar esse programa sanitário era necessário um grande contingente de profissionais especializados, particularmente da área de saúde. O apoio do governo federal não supriu as necessidades e diante disso, o governo estadual decidiu fundar uma escola de Enfermagem de alto padrão no território fluminense2.

Para efetivar a fundação da Escola de Enfermagem foi preciso reunir esforços financeiros para cobrir o orçamento de CR$ 700.000,00 de capital inicial e CR$ 1.000.00,00 de gastos anuais. Alzira Vargas dispôs de Cr$ 300.000,00 por meio da Legião Brasileira de Assistência (LBA), mesma quantia ofertada pelo Serviço Especial de Saúde Pública (Sesp)3. Ficou decidido que o curso seria realizado em regime de internato, com duração de três anos, e que as alunas seriam admitidas por meio de seleção, que exigia o término do científico, do clássico ou do ensino normal. O estágio ocorreria no Hospital Orêncio de Freitas, no Barreto, mas logo foi estendido para o ambulatório da Faculdade de Medicina, Centro de Saúde de São Lourenço, Hospital Ari Parreiras, este último utilizado para estágio de doenças agudas; e para o Hospital de Obstetrícia, na Maternidade Escola da capital federal4. A moradia das alunas seria no Sanatório Azevedo Lima, que estava em fase final de construção.

A primeira Diretora da Escola de Enfermagem, Dona Aurora de Afonso Costa5, foi indicada por Dona Lays Neto dos Reis, então diretora da Escola Anna Nery, e permaneceu à frente da instituição até 1966. A criação da primeira turma realizou-se no mês seguinte à fundação da escola, quando foram selecionadas 22 alunas, sendo sete do Estado do Rio de Janeiro e as demais do Norte do país. A aula inaugural com a consequente abertura do curso da Escola de Enfermagem foi realizada em 1º de fevereiro de 1945. A solenidade contou com a aula magna proferida pelo Prof. Dr. Marcolino Candeau e versava sobre a história e finalidade da enfermagem. À solenidade compareceram nomes ilustres da política local e nacional6. Essa primeira turma formou-se em 1948, com missa na catedral e cerimônia de diplomação no Teatro Municipal de Niterói.

As dificuldades de manutenção da escola se tornaram críticas em 1949, mas a diretoria não mediu esforços no sentido de contornar essa situação, conseguindo viabilizar a assinatura de um convênio com o Serviço Nacional de Tuberculose (SNT) e negociar uma ajuda financeira com a Prefeitura de Niterói, que contribuiu com CR$ 120.000,00. Nesse período, a escola realizou campanha de divulgação e oferecia bolsas de estudo, por meio do Serviço Estadual de Saúde Pública (Sesp) e do Serviço Nacional de Tuberculose (SNT)7, mas mesmo assim o número de candidatas decresceu.

A Escola de Enfermagem do Rio de Janeiro iniciou um bom período, com a volta de Vargas ao poder federal8 (1951-1954). O acordo com o Serviço Nacional de Tuberculose foi renovado, e os estágios no Hospital Azevedo Lima, assim como no Hospital Psiquiátrico Pedro II, do Engenho de Dentro, retornaram. Nesse contexto, a lei federal 775 de 6 de agosto de 1949 foi aprovada no Conselho Nacional de Educação, criando o curso de Auxiliar de Enfermagem, favorecendo a formação de profissionais para trabalhar no Hospital Antônio Pedro9. Em 1951, a escola obteve outras conquistas, com o retorno de Adelmo Mendonça à Secretaria Estadual de Saúde; ele, que outrora já incentivara o nascimento e crescimento da Escola de Enfermagem, solicitou por meio da Secretaria de Saúde e Assistência, a organização de cursos intensivos de auxiliares de enfermagem, e essas estudantes foram as designadas para atuar no Hospital Psiquiátrico de Jurujuba e no Hospital de Tuberculose de Campos, mostrando a importância dessa escola para o estado.

Em 1954, a escola já contava com 91 alunas e recebia importantes visitas, como a de M. E. Tennant, da Divisão Técnica de Enfermagem da Fundação Rockfeller, que objetivava a discussão sobre o convênio da escola com o Serviço Estadual de Saúde Pública (Sesp), e a identificação de meios para a construção de uma nova sede ou para a reforma da antiga10.

A morte de Vargas, em 195411, seria um golpe quase fatal nos empreendimentos políticos e sociais implantados por seu grupo político, e de fato atingiu alguns planos da Escola de Enfermagem de construir a sua sede e ter maior equilíbrio financeiro12. A partir de então, as dificuldades para efetivar projetos se aprofundaram e se mantiveram até o processo de união e federalização em 196013. Durante esse período, vale também destacar o importante papel da Escola no Congresso Brasileiro de Higiene que ocorreu em Niterói, em 195914.

Leia o texto na íntegra aqui 

 


Notas

1 COSTA, Rafael Navarro. As memórias do Comandante: Amaral Peixoto e a política fluminense. Revista Histórica, São Paulo, n. 35, abr. 2009. Disponível em: <http://www.historica.arquivoestado.sp.gov.br/materias/anteriores/edicao35/materia06.html>. Acesso em: 11 out. 2012. 

2 Nomes como Zilda Lima, Denise Torres e Yonita Ascenso Torres, merecem ser destacados pela participação durante esse processo de criação. (Cf.FERNANDES, Cléa Alves de Figueiredo. A História da Escola de Enfermagem do Rio de Janeiro (1944-1964) UFERJ. Niterói: [s.n.], 1964. p.10-11).
3 As bases de sustentação da escola seriam: Estado, Secretaria Especial de Saúde Publica e a LBA, e foram importantes os contatos com a Faculdade Fluminense de Medicina. Outros colaboradores ao longo dos primeiros anos foram o Serviço Nacional de Tuberculose e os EUA, por meio da participação da Sesp e da política de Boa Vizinhança, fornecendo apoio financeiro e conhecimento. (Cf. FERNANDES, 1964, p. 10).
4 Em 1946, a escola enfrentou problemas financeiros que acabaram repercutindo no campo didático, uma vez que o Hospital do Barreto estava impróprio para o campo de estágio. Nesse mesmo ano, foram iniciadas as negociações com a Prefeitura visando à utilização do Hospital São João Batista, mas a crise financeira aumentou, em virtude da diminuição da participação financeira da LBA. (Cf. FERNANDES, 1964, p. 13).
5 Carismática, a enfermeira Aurora Afonso Costa era muito esmerosa no cargo de diretora da faculdade, cargo ocupado por ela durante décadas. Responsável e dedicada, Dona Aurora era firme, querida por todos e lutou para o sucesso da Escola de Enfermagem. (Cf. AURORA DE AFONSO COSTA – DO SONHO À REALIDADE. Produção de Ana Alice de Morais. Niterói: Produzido pelo Instituto de Arte e Comunicação Social da UFF, 1994. 1 DVD.
6 FERNANDES, 1964, p. 15.
7 FERNANDES, 1964, p. 20.
8 FERREIRA, Marieta de Moraes. Niterói poder: a cidade como centro político. In: KNAUSS, Paulo e MARTINS, Ismênia de Lima. Cidade múltipla: temas de história de Niterói. Niterói: Niterói Livros, 1997. p. 73-100.
9 FERNANDES, 1964, p. 22.
10 FERNANDES, 1964, p. 24.
11 AZEVEDO, Marlice Nazareth Soares de. Niterói urbano: a construção do espaço da cidade. In: KNAUSS, Paulo; MARTINS, Ismênia de Lima (Org.). Cidade múltipla: temas de historia de Niterói. Niterói: Niterói Livros, 1997. p. 19-72.
12 FERNANDES, 1964, p. 26-27.
13 Entretanto, podemos citar alguns pontos positivos neste período, a saber: a qualidade do estágio de Pediatria no Hospital Getúlio Vargas Filho, no Fonseca, e a mudança do currículo de 36 meses corridos, para quatro anos, com três meses de férias anuais e em 1959, a direção da escola conseguiu aprovar o decreto 6.463 de 9 de janeiro, e passou a estar vinculada novamente à Secretaria de Saúde e Assistência, tentando mais uma maneira de enfrentar os problemas financeiros. (Cf. FERNANDES, 1964, p. 32).
14 FERNANDES, 1964, p. 34.

Realização Parcerias

 Prefeitura Universitária