epoksi reçine mobil ödeme ile bahis siteleri/a> meme büyütme kolaybet betgaranti vdcasino casino siteleri vdcasino giriş kolaybet vdcasino sorunsuz giriş sultanbet vdcasino yeni giriş mydodolook.com gaziantep escort diyarbakır escort istanbul escort beylikdüzü escort kayseri escort escort adana

A federalização da Escola Fluminense de Engenharia e sua integração à Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Uferj)

A Escola Fluminense de Engenharia foi incorporada à Uferj em 1960, através da lei 3.484 de 18 de dezembro, e federalizada no ano seguinte. Vale aqui ressaltar o curso em Volta Redonda como um dos grandes avanços dentre outros experimentados pela escola nessa década. No início do governo de Jânio Quadros foi idealizada a criação e implantação na cidade de Volta Redonda da Universidade do Trabalho, onde o ensino profissionalizante de Engenharia seria ministrado próximo a um complexo industrial, a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).

Deste modo, os engenheiros especializados dos diversos centros poderiam “emprestar” seus conhecimentos, e os futuros engenheiros, ainda em sua vida estudantil, passariam a ter a oportunidade de presenciar a produção industrial, ter contato com profissionais e aparelhagens sofisticadas, de grande porte, enfim, vivenciar no presente sua futura vida profissional1.

A Escola de Engenharia da Uferj colaborou para a construção da Universidade do Trabalho em Volta Redonda e para a elaboração de seu curso de Metalurgia, que chegaram a ser inaugurados em julho de 1961, com aulas iniciadas um mês depois. Contudo, a renúncia de Jânio Quadros impossibilitou a concretização e oficialização da Universidade do Trabalho, assim como a do referido curso, o que inviabilizaria os sonhos dos estudantes matriculados. Tal situação foi enfrentada com o auxílio da Companhia Siderúrgica Nacional e pelos professores Octávio Catanhede e Emil Patury Monteiro2 que assumiram a primeira turma da Universidade do Trabalho, no curso de Engenharia Industrial Metalúrgica da Escola de Engenharia da Uferj que já atuava na cidade de Volta Redonda. As aulas dessa primeira turma eram ministradas na Escola Pandiá Calógeras. Em dezembro de 1961 ingressaria a segunda turma e em março de 1962 o curso foi transferido para o Colégio Paulo Monteiro Mendes, prédio recém-construído pela CSN que foi cedido para o curso. Logo, ingressou a terceira turma, e a vida escolar foi normalizada3.

Em julho de 1962 ingressou a quarta turma e reiniciaram-se as aulas (...) Em 19/01/1963 formou-se a primeira turma com pompa homérica, digna do ato e da cidade de Volta Redonda. A primeira formatura universitária foi um ato inusitado na Cidade e propiciou imenso júbilo aos professores e funcionários do Curso, como também à sociedade volta-redondense. Foi o remate de uma epopéia heróica e estonteante4.

Em julho de 1963, os membros dos cursos de Engenharia de Volta Redonda conquistaram a transferência do curso para o prédio atual da escola, passando a ocupar as dependências que seriam da Universidade do Trabalho. O curso ganhou destaque em todo o Brasil e consolidou a semestralidade5. Cabe destacar que o sucesso da expansão para Volta Redonda era reflexo da boa administração empreendida por Octávio Catanhede à frente da Escola de Engenharia da Uferj. Também em Niterói, a escola passava a ser uma referência tanto em sua área6 como nas decisões internas da Uferj. O diretor Octávio Catanhede foi um representante importante na luta pelo fim das distinções entre as unidades incorporadas e agregadas que marcava os primeiros momentos da Uferj7. Em 1961 a EFE conseguiu a doação dos bens móveis do prédio que ocupa na Rua Passo da Pátria através da lei estadual 5.053 de 1º de setembro e da lei federal 3.958 de 3 de setembro; e em 1965, o decreto-lei 56.607 de 23 de julho declara o imóvel de utilidade publica para fins de desapropriações8. Nesse mesmo ano, o decreto-lei no 4.759 modificou a denominação da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Uferj) para Universidade Federal Fluminense (UFF), e desde então a Escola Fluminense de Engenharia passou a se chamar Escola de Engenharia9.

Leia mais na íntegra aqui 

 


Notas

1 UFF. Escola de Engenharia da UFF Volta Redonda. [201?]. Disponível em: <http://www.engenhariavr.uff.br/index.php?option=com_content&;view=article&id=88&Itemid=59.html>. Acesso em: 25 maio 2012.
2 Respectivamente, eram o diretor da Escola de Engenharia e o coordenador do curso de Engenharia naquele momento.
3 UFF. Escola de Engenharia da UFF Volta Redonda. [201?].
4 UFF. Escola de Engenharia da UFF Volta Redonda. [201?].
5 UFF. Escola de Engenharia da UFF Volta Redonda. [201?].
6 Vale a pena destacar nesse período o crescimento de um dos pioneiros grupos de pesquisa da Engenharia, o Grupo de Estudos em Produtividade Industrial (Gepi).
7 CATANHEDE, Octávio. A Escola de Engenharia: sua criação e sua obra (1952-2002), Niterói: EdUFF, 2002. p. 60-61.
8 BARROS, Evandro Vieira de. Escola de Engenharia da UFF: meio século de história (1952-2002). Niterói: EdUFF, 2002. p. 27.
9 UFF. Escola de Engenharia da UFF Volta Redonda. [201?].

Realização Parcerias

 Prefeitura Universitária