meme büyütme kedi maması kolaybet elektronik sigara betgaranti vdcasino bonus veren siteler 1xbet – 1xbet Giriş Adresi – 1xbet Mobil Giriş – 1xbet Türkiye deneme bonusu deneme bonusu betgaranti betsat maksibet betboo betvole vdcasino giriş kolaybet vdcasino sorunsuz giriş vdcasino yeni giriş superbetin anadolucasino süperbahis casino siteleri mydodolook.com gaziantep escort istanbul escort gaziantep escort bayan escort adana escort halkalı izmir bayan escort elazig escort etimesgut escort eryaman escort bodrum escort beylikdüzü escort marmaris escort

Reitoria da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Uferj)

Segundo o anteprojeto do Regimento da Reitoria da Uferj, elaborado no decorrer da primeira década de existência da universidade, ela seria composta pelos seguintes órgãos administrativos: Gabinete do Reitor, Departamento de Administração, Departamento de Ensino e Pesquisa, Serviço de Engenharia e Patrimônio, Diretoria de Finanças, Biblioteca Central e Setor de Imprensa Universitária1. No entanto, pelo que se pôde acompanhar nos estudos das atas e documentos iniciais da Uferj, a Reitoria era basicamente composta pelo Gabinete do Reitor, pelo Departamento Administrativo, por um Setor de Finanças e por um setor responsável pela diplomação de estudantes das unidades que compunham a universidade2.

Nos anos iniciais, verifica-se que as estruturas administrativas e as congregações das unidades fundadoras não se alteraram de forma significativa, continuando a exercer suas atividades como antes da criação da Uferj. Depreendeu-se que essa situação inicial esteve relacionada aos encaminhamentos visando à estruturação administrativa da Uferj, que só começou a ser delineada em 1963, com a aprovação do Estatuto Geral da universidade3, após as definições sobre a igualdade de direito de votos entre todas as unidades que compunham a Uferj e a permanência/solidificação de um reitor à frente da administração universitária.

No período entre 1961 e 1965, a Reitoria atravessou momentos de muita instabilidade, e por ela passaram cinco reitores, em um curto período de quatro anos: Prof. Durval de Almeida Baptista Pereira (abril e junho de 1961); Prof. Paulo Gomes da Silva (julho de 1961 a novembro de 1963), interventor nomeado pelo presidente da República; Prof. Deoclécio Dantas Araújo (setembro de 1963 a fevereiro de 1965), Prof. Raul Jobim, interventor Pró Tempore (1965); e, por fim, o Prof. Argemiro de Oliveira, que ficou um ano à frente da Reitoria4. Esta instabilidade dificultou o andamento da estruturação dos órgãos administrativos, e durante esse intervalo, o CUV foi o órgão da administração mais atuante, tendo em vista a natureza de suas atribuições, no que se refere às discussões sobre os estatutos, regimentos e organização da vida universitária. O Estatuto de 1963 tem grande importância, uma vez que, a partir dele, foram estabelecidas as referências necessárias à estruturação da Uferj.

A Reitoria, órgão central executivo, segundo o Estatuto de 1963, tinha por atribuições coordenar, fiscalizar e superintender, assessorada pelos conselhos e demais órgãos universitários, todas as atividades da universidade, sendo dirigida pelo reitor nomeado pelo(a) presidente da República, na ocasião por três anos, a partir da lista tríplice, decidida e encaminhada pelo Conselho Universitário da Uferj. Na falta do reitor, assumiria o vice-reitor, também eleito pelo CUV, com mandato de três anos5. Assim, caberia ao reitor administrar, superintender e fiscalizar todas as atividades da universidade; representar a universidade em juízo ou fora dele; convocar a Assembléia Universitária, assinar diplomas conferidos pelas unidades; organizar os planos anuais de trabalho em conjunto com as unidades e submetê-los ao CUV; exercer o poder disciplinar; propor ao MEC a nomeação de professores catedráticos; contratar e designar, de acordo com o CUV, pessoal docente e técnico aprovado pela congregação, Conselho Departamental ou órgão similar; dar posse a diretores e professores catedráticos; admitir e dispensar o pessoal do quadro da universidade na forma da legislação especifica; e submeter ao Conselho Financeiro e Patrimonial, com base nas propostas das unidades, o orçamento geral da universidade, dentre outras atribuições6.

Diante desse extenso número de atribuições remetidas ao reitor, se fez necessário organizar a Reitoria de modo a distribuir as funções e atribuições por órgãos específicos, a saber: Gabinete do Reitor, composto pelo reitor, pelo chefe de Gabinete, subchefe, assessor jurídico, secretário do reitor, oficiais de Gabinete e assessores técnicos; Departamento de Administração, subordinado ao reitor, com a função de executar, orientar, promover e superintender as atividades relativas a pessoal, material, orçamento, comunicações, organização, transportes e administração dos prédios da universidade7.

Com o passar dos anos, outras necessidades foram aparecendo, de modo que o anteprojeto da Reitoria apontava, já nos anos 1960, para uma Reitoria composta por mais cinco outros órgãos: Departamento de Ensino e Pesquisa, que muito provavelmente teve sua origem na Comissão de Ensino, Pesquisa e Legislação do Conselho Universitário; Serviço de Engenharia e Patrimônio; Diretoria de Finanças, Biblioteca Central, criada junto ao curso de Biblioteconomia e Documentação; e o Setor de Imprensa Universitária8. Cabe também citar que, quando criados em 1967, a Divisão de Orientação Alimentar (DOA) e o Curso de Nutrição da UFF também funcionaram ligados ao Gabinete do Reitor e, portanto, à Reitoria.

Quanto ao quadro de pessoal, este deveria ser constituído de docentes, técnico ou administrativo, sendo este relacionado ao Quadro Permanente do Ministério da Educação e Cultura lotado na universidade, o quadro próprio do Pessoal da Universidade (Quadro Ordinário e Extraordinário). O Quadro Ordinário deveria ser constituído de servidores assalariados pelos recursos da legislação federal e sujeitos ao Estatuto dos Funcionários Públicos Civis da União e legislação complementar. Por sua vez, o Quadro Extraordinário deveria ser constituído de pessoal admitido pela universidade, de acordo com as necessidades dos serviços e remunerados com os recursos e disponibilidades do orçamento, sujeitos ao regime da legislação trabalhista aplicada ao pessoal temporário da União9. Embora a regra fosse essa, em virtude das especificidades da criação da Uferj, composta por unidades federalizadas, estaduais e particulares, o enquadramento de todos os funcionários ao regime da União foi lento e gradual. A distribuição do pessoal técnico-administrativo era de responsabilidade do reitor, juntamente com a unidade universitária interessada e o Conselho Universitário, que também aprovava este quadro de servidores. O ingresso dos servidores previsto por meio de concurso10.

 


Notas

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Anteprojeto do Regimento da Reitoria, [196?]. Documento enviado à Comissão de Regimentos da Uferj, 13 f.
2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Fundo Uferj - Livro de Atas da Congregação da Faculdade Fluminense de Medicina - 1961-1968. Arquivo Central da UFF, 2013-2014.
3 BRASIL. Decreto nº 52.292, de 24 de julho de 1963. Aprova o Estatuto da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 5 ago. 1963. Seção 1, cap. I, art. 10, p. 6.753.
4 CORTE, Andrea Tello da Corte; MARTINS, Ismênia de Lima (Org.). UFF 50 anos 1960-2010: Universidade Federal Fluminense. Niterói: EdUFF, 2010, p. 137.
5 BRASIL. Decreto nº 52.292 de 24 de julho de 1963, cap. V, art. 24.
6 BRASIL. Decreto nº 52.292 de 24 de julho de 1963, cap. V, art. 24.
7 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Anteprojeto do Regimento da Reitoria, ([196?], 13 f).
8 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Anteprojeto do Regimento da Reitoria, ([196?], 13 f).
9 BRASIL. Decreto nº 52.292 de 24 de julho de 1963, cap. III, art. 110.
10 BRASIL. Decreto nº 52.292 de 24 de julho de 1963, cap. III, art. 110.

Realização Parcerias

 Prefeitura Universitária